domingo, 22 de maio de 2022

Contornos da Palavra 2022

A nossa biblioteca recebeu mais uma edição dos Contornos da Palavra, uma iniciativa da Câmara Municipal de Viana do Castelo que pretende promover o livro e a leitura com oferta de diversas atividades às escolas. Encontros com escritores, teatro e workshops foram algumas das propostas que nos ajudaram a despertar nos nossos alunos o gosto pela leitura e pela escrita.



Workshop de escrita com Rui Cerqueira Coelho


Apresentação do livro "O quanto amei - Fernando Pessoa
e as mulheres da sua vida"pela escritora Sara Rodi.

Apresentação do livro " O Poço e a Estrada - biografia de
Agustina Bessa-Luís, pela escritora Isabel Rio Novo




"Mas alguém me perguntou se queria ir ao teatro?" 
peplo CDV - Teatro do Noroeste


Espetáculo "Stand-up Maias",
pela companhia Atrapalh'arte


Apresentação do "A incrível história da Língua Portuguesa",
pelo escritor Marco Neves


TV na Maior com nova página

 A TV na Maior tem nova página! Visitem-nos e acompanhem os nossos noticiários, entrevistas, reportagens e muito mais.

Imagem da página de abertura da TV na Maior, canal de TV escolar do nosso agrupamento.
Página TV na Maior

sexta-feira, 8 de abril de 2022

Sugestão de leitura: Humberto Delgado: Biografia do general sem medo


Capa do livro "Hmberto Delgado: biografia do general sem medo"

Chamaram-lhe terramoto e furacão. Uns apelidaram-no de general-dinamite, outros de cowboy e de general Coca-Cola. Ele próprio se retratou como um «Tufão sobre Portugal», mas foi outro o epíteto que ficou para a posteridade e no coração do Povo: Humberto Delgado, o General Sem Medo.

Esta é a primeira biografia do homem que desafiou Salazar ao proferir a célebre frase: «Obviamente demito-o!». Candidato à Presidência da República em 1958, Humberto Delgado galvanizou multidões de Norte a Sul, tendo sido vítima de uma das maiores fraudes eleitorais da História. A sua morte às mãos da PIDE, em 13 de Fevereiro de 1965, foi o principal assassínio político da ditadura e marcou indelevelmente a memória colectiva. Mito do Século XX, Humberto Delgado renasce neste livro, que narra passo a passo o romance de aventuras da sua vida, desde a infância no Ribatejo até à cilada de Badajoz. Escrita por Frederico Delgado Rosa, neto de Humberto Delgado, a presente biografia desvenda factos totalmente desconhecidos até hoje, relata pormenores intimistas vedados aos historiadores e faz surpreendentes revelações sobre o assassinato, lançando uma nova luz sobre o «Caso Delgado».

https://www.wook.pt/livro/humberto-delgado-frederico-delgado-rosa/16168271

Sugestão de leitura: Deixem falar as pedras, David Machado

 Capa do livro "Deixem falar as pedras"

No dia em que se ia casar, Nicolau Manuel foi levado pela Guarda para um interrogatório e já não voltou. Viveu, assim, quase toda a vida na urgência de contar a verdade a Graça dos Penedo, a noiva que mais tarde lhe seria arrebatada pelo alfaiate que lhe fizera o fato do casamento. Porém, sempre que se abria uma possibilidade, uma ameaça desviava-o dramaticamente do seu destino - e agora, meio século volvido, está velho de mais para querer mudar as coisas, gastando os dias com telenovelas. De tanto ter ouvido ao avô a sua história rocambolesca, Valdemar - um rapaz violento e obeso apaixonado pela vizinha anoréctica - não desistiu, mesmo assim, de fazer justiça por ele. E, ao encontrar casualmente a notícia da morte do alfaiate, sabe que chegou a hora de ir falar com a viúva: até porque essa será a única forma de resgatar Nicolau Manuel da modorra em que se deixou afundar.
Alternando a narrativa dos sucessivos infortúnios de Nicolau Manuel - que é também a história de Portugal sob a ditadura, com os seus enganos, perseguições e injustiças - com a de um adolescente que mantém um diário com numerosas passagens rasuradas como instrumento de luta contra o mundo -, Deixem Falar as Pedras é um romance maduro e fascinante sobre a transmissão das memórias de geração em geração, nunca isenta de cortes e acrescentos que fazem da verdade não o que aconteceu, mas o que recordamos.
https://www.wook.pt/livro/deixem-falar-as-pedras-david-machado/10691738

Sugestão de leitura: Os memoráveis, Lídia Jorge

 

Em 2004, Ana Maria Machado, repórter portuguesa em Washington, é convidada a fazer um documentário sobre a Revolução de 1974, considerada pelo embaixador americano à época em Lisboa como um raro momento da História. Aceitado o trabalho, regressa, contrata dois antigos colegas, e os três jovens visitam e entrevistam vários intervenientes e testemunhas do golpe de Estado, revisitando os mitos da Revolução. Um percurso que permite surpreender o efeito da passagem do tempo não só sobre esses "heróis", como também sobre a sociedade portuguesa, na sua grandeza e nas suas misérias.
Transfiguradas, como se fossem figuras sobreviventes de um tempo já inalcançável, as personagens de Os Memoráveis tentam recriar o que foi a ilusão revolucionária, a desilusão de muitos dos participantes e o árduo caminho para uma Democracia.
Paralela a esta acção decorre uma outra, pessoal e íntima: a história do pai da protagonista, António Machado, que retrata em privado o destino que se abate sobre todos os outros. Todos vivem na Democracia, uma espécie de lugar de exílio. Mas um dia, todas as misérias serão esquecidas, quando se relatar o tempo dos memoráveis.
https://www.wook.pt/livro/os-memoraveis-lidia-jorge/15614983

Sugestão de leitura: Que importa a fúria do mar, Ana Cristina de Carvalho

 

Frente a frente, duas gerações de um Portugal onde, às vezes, parece que pouco mudou…
Numa madrugada de 1934, um maço de cartas é lançado de um comboio em andamento por um homem que deixou uma história de amor interrompida e leva uma estilha cravada no coração. Na carruagem, além de Joaquim, viajam os revoltosos do golpe da Marinha Grande, feitos prisioneiros pela Polícia de Salazar, que cumprem a primeira etapa de uma viagem com destino a Cabo Verde, onde inaugurarão o campo de concentração do Tarrafal.
Dessas cartas e da mulher a quem se dirigiam ouvirá falar muitos anos mais tarde Eugénia, a jornalista encarregada de entrevistar um dos últimos sobreviventes desse inferno africano e cuja vida, depois do primeiro encontro com Joaquim, nunca mais será a mesma.
Separados pelo tempo, pelo espaço, pelos continentes, pela malária e pelo arame farpado, os destinos de Joaquim e Eugénia tocar-se-ão, apesar de tudo, no pêlo de um gato sem nome que ambos afagam e na estranha cumplicidade com que partilham memórias insólitas, infâncias sombrias e amores decididamente impossíveis.
Que Importa a Fúria do Mar é um romance de estreia com uma maturidade literária invulgar que coloca, frente a frente, duas gerações de um Portugal onde, às vezes, parece que pouco mudou.

https://www.wook.pt/livro/que-importa-a-furia-do-mar-ana-margarida-de-carvalho/14930644

Sugestão de leitura: O Retorno, Dulce Maria Cardoso

 

975, Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos nao têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a família vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas a abarrotar de retornados — um improvável purgatório sem salvação garantida que se degrada de dia para dia. A adolescência torna-se uma espera assustada pela idade adulta: aprender o desespero e a raiva, reaprender o amor, inventar a esperança. África sempre presente mas cada vez mais longe.

https://www.wook.pt/livro/o-retorno-dulce-maria-cardoso/12835915

Sugestão de leitura: De palavra em Punho: Antologia Poética da Resistência de Fernando Pessoa ao 25 de Abril

 

Poemas de:

Jaime Cortesão • Fernando Pessoa • António Aleixo • Edmundo Bettencourt • José Gomes Ferreira • Vitorino Nemésio • Armindo Rodrigues • António Gedeão • Miguel Torga • Adolfo Casais Monteiro • Manuel da Fonseca • Políbio Gomes dos Santos • Luís Veiga Leitão • Joaquim Namorado • José Blanc Portugal • Álvaro Feijó • Mário Dionísio • Papiniano Carlos • Fernando Namora • João José Cochofel • Jorge de Sena • Sophia de Mello Breyner Andresen • Egito Gonçalves • Raul de Carvalho • Sidónio Muralha • Carlos de Oliveira • José Saramago • Reinaldo Ferreira • Eugénio de Andrade • Vasco Lima Couto • Mário-Henrique Leiria • Natália Correia • Alexandre O’Neill • António Ramos Rosa • António Reis • Daniel Filipe • Fernando Lemos • David Mourão-Ferreira • Alberto de Lacerda • António Maria Lisboa • Carlos Eurico da Costa • Fernando Guimarães • João Rui de Sousa • Ana Hatherly • Fernando Echevarría • Fernando Miguel Bernardes • José Afonso • Albano Martins • Henrique Segurado • Maria Alberta Meneres • António Cabral • António José Forte • E. M. de Melo e Castro • José Bento • Rui Knopfli • António Rebordão Navarro • Cristovam Pavia • Eduardo Olímpio • Ferreira Guedes • Manuel Simões • Ruy Belo • Pedro Tamen • Luís Pignatelli • Emanuel Félix • Francisco Delgado • Manuel Alegre • Fernando Assis Pacheco • José Augusto Seabra • José Carlos Ary dos Santos • José Carlos González • José Correia Tavares • Maria Teresa Horta • Armando da Silva Carvalho Casimiro de Brito • Fernando J. B. Martinho • Fiama Hasse Pais Brandão • Luísa Ducla Soares • Luiza Neto Jorge • José Carlos de Vasconcelos • Rui Namorado • Gastão Cruz • Eduardo Guerra Carneiro • José Mário Branco • Vasco Graça Moura • Álamo de Oliveira • Manuel Alberto Valente • J. H. Santos Barros • J. H. Borges Martins • Joaquim Pessoa • José Manuel Mendes • Vasco Pereira da Costa • Hélia Correia • Urbano Bettencourt • José Fanha • José Jorge Letria

Ver para Aprender: Coleção 25 de abril, 30 anos

 







Ver para Aprender: Outro País, Sérgio Tréfaut

 


De: Sérgio Tréfaut
Género: Documentário
Classificação: M/12
1999, Cores, 70 min.

Após a Revolução dos Cravos, em Abril de 1974, alguns dos mais importantes fotógrafos e cineastas do mundo estiveram em Portugal para captar imagens de liberdade e de todo o processo revolucionário. Personalidades como Sebastião Salgado, Glauber Rocha, Robert Kramer, Dominique Issermann, Santiago Álvarez, Pea Holmquist ou Jean Gaumy, entre outras, muniram-se das suas máquinas e fotografaram ou filmaram as pessoas e os eventos desse período extraordinário. Em 1999, o realizador Sérgio Tréfaut ("A Cidade dos Mortos", "Viagem a Portugal", "Alentejo, Alentejo") decide fazer uma pesquisa sobre os milhares de registos espalhados pelo mundo, num retrato de um dos momentos mais relevantes da História de Portugal. Esse trabalho resultou neste documentário, a que deu o nome "Outro País".

https://cinecartaz.publico.pt/Filme/346947_outro-pais

Ver para Aprender: 48, de Susana Sousa dias

Título original:48
Género:Documentário
Classificação:M/12
2009, Preto e Branco, 97 min.

Partindo de uma série de fotografias de prisioneiros políticos, Susana Sousa Dias ("Natureza Morta - Visages d''une Dictature") volta a centrar-se no período do Estado Novo e realiza um documentário sobre os 48 anos de ditadura em Portugal (1926-1974). Mostrando os rostos das vítimas da PIDE, pretende-se que o espectador observe cada imagem ouvindo, em voz off, o depoimento vivo da pessoa em questão, usando as pausas e os silêncios como meio de reflexão. Para Sousa Dias, o filme "procura operar na zona entre o que a fotografia mostra e o que ela não revela; mas também entre a analogia e a estranheza, o enunciado e o vivido, a imagem e a memória."

https://cinecartaz.publico.pt/Filme/279849_48

sexta-feira, 4 de março de 2022

Ver para Aprender: Reds, Warren Beaty

 Conhecer o passado, perceber o presente.


Baseado em eventos reais, este filme de Warren Beaty conta a história de Jonh Reed, comunista, jornalista e ativista, cujo romance com a escritora feminina Louise Bryant desenrola-se no explosivo contexto da Revolução Russa. 

Disponível na nossa biblioteca.



Sugestão de leitura: Fábrica de Mentiras, Paulo Pena

 Disponível na nossa biblioteca.


«A desinformação é um processo, uma sequência de actos concebidos por alguém com o objectivo de manipular as convicções do maior número possível de pessoas.»

Um pouco por todo o mundo, as infames fake news têm-se revelado um verdadeiro entrave à democracia e uma incubadora de ódio social. Seja no Brexit, na eleição de Trump ou de Jair Bolsonaro, o efeito da desinformação e das mentiras propagadas como se notícias fossem pode ter sido determinante para decidir o voto de muitos eleitores.

Em Portugal, onde 63% das pessoas afirmam receber as notícias que as mantêm informadas através das redes sociais, mentiras meticulosamente plantadas no mural certo, à hora certa podem fazer a diferença num momento decisivo. Mas como chegámos aqui? Quem fabrica estas «notícias» e por que o faz?

Numa investigação de fôlego em coordenação com organismos internacionais, o premiado jornalista Paulo Pena lança-se numa viagem aos bastidores das fake news, nacionais e internacionais, para nos mostrar que a era da desinformação chegou e que está nas nossas mãos combatê-la.

https://www.wook.pt/livro/fabrica-de-mentiras-paulo-pena/23507165


quinta-feira, 3 de março de 2022

Sugestão de leitura: Uma História do Mundo em 100 Objetos, Neil MacGregor

 Disponível na nossa biblioteca.


Um galeão dourado, um utensílio da Idade da Pedra, um cartão de crédito... cada um destes objetos conta uma história.
Este livro conta-nos a história do mundo, e do nosso lugar nele, de uma maneira totalmente original: graças a 100 objetos que acarinhámos e preservámos, ou que utilizámos, destruímos e deitámos fora. Conduz-nos numa viagem no tempo e no espaço, dando-nos a conhecer como a Humanidade moldou o mundo, e como tem sido moldada por ele, nos últimos dois milhões de anos.

https://www.wook.pt/livro/uma-historia-do-mundo-em-100-objetos-neil-macgregor/16025085


Sugestão de Leitura: Gente do Passado, Douglas Smith

 Disponível na nossa biblioteca.


O historiador Douglas Smith conta-nos a história esquecida da aristocracia russa nas décadas que se seguiram à Revolução Bolchevique, quando passou a ser conhecida como «gente do passado», centrando-se em três gerações de duas famílias: os Sheremetev de Sampetersburgo e os Golitsyn de Moscovo. Entre a Revolução Bolchevique de 1917 e a morte de Estaline em 1953, estas e outras famílias foram perseguidas e expropriadas dos seus bens; outras foram assassinadas pela turba ou pela polícia política ou conheceram a morte no gulag.

https://www.wook.pt/livro/gente-do-passado-douglas-smith/15025129


Sugestão de Leitura: O Livro do Ano, Afonso Cruz

 Disponível na nossa biblioteca.


Estas são páginas do diário de uma menina que carrega um jardim na cabeça, atira palavras aos pombos e sabe quanto tempo demora uma sombra a ficar madura.
Páginas feitas de memórias, para leitores de todas as idade.

https://www.wook.pt/livro/o-livro-do-ano-afonso-cruz/16513108


Sugestão de leitura: Mataram a Cotovia, Harper Lee

 Disponível na nossa biblioteca.


Situado em Maycomb, uma pequena cidade imaginária do Alabama, durante a Grande Depressão, o romance de Harper Lee, vencedor do Prémio Pulitzer, em 1961, fala-nos do crescimento de uma rapariga numa sociedade racista.
Scout, a protagonista rebelde e irónica, é criada com o irmão, Jem, pelo seu pai viúvo, Atticus Finch. Ele é um advogado que lhes fala como se fossem capazes de entender as suas ideias, encorajando-os a refletirem, em vez de se deixarem arrastar pela ignorância e o preconceito.
Atticus vive de acordo com as suas convicções. É então que uma acusação de violação de uma jovem branca é lançada contra Tom Robinson, um dos habitantes negros da cidade. Atticus concorda em defendê-lo, oferecendo uma interpretação plausível das provas e preparando-se para resistir à intimidação dos que desejam resolver o caso através do linchamento. Quando a histeria aumenta, Tom é condenado e Bob Ewell, o acusador, tenta punir o advogado de um modo brutal.
Entretanto, os seus dois filhos e um amigo encenam em miniatura o seu próprio drama de medos, centrado em Boo Radley, uma lenda local que vive em reclusão numa casa vizinha.

https://www.wook.pt/livro/mataram-a-cotovia-harper-lee/12851080

Sugestão de leitura: Ensaios da Fundação Francisco Manuel dos Santos

 Ensaios oferecidos à nossa biblioteca pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Para conhecermos melhor o nosso país e o mundo.








Ver para Aprender: Adeus Lenine!, Wolgang Becker

 Conhecer o passado, perceber o presente.

2003 ‧ Comédia/Drama ‧ 2h 1m

Filme de Wolfgang Becker, com música de Yann Tiersen ("O Fabuloso Destino de Amélie Poulain"), que relata um capítulo marcante da história alemã e europeia, a queda do muro de Berlim, as mudanças políticas, sociais e culturais que desencadeou e a forma como afetou as pessoas que acreditavam no mundo socialista.

Outono de 1989. Pouco antes da queda do Muro de Berlim, a Sra. Kerner (Katrin Sab), uma comunista convicta, tem um ataque cardíaco e entra em coma. O triunfo do regime capitalista acontece enquanto está inconsciente. Quando finalmente acorda, no Verão de 1990, a Alemanha Oriental deixou de existir e Berlim está totalmente transformada. O seu filho Alex (Daniel Bruhl), temendo que a excitação causada pelas drásticas mudanças lhe possa prejudicar a saúde, decide esconder-lhe os acontecimentos e não lhe contar que o Muro caiu.

Determinado e protegê-la reencena para a mãe, acamada nos confins do quarto, o mundo da antiga RDA, enchendo a casa de produtos e objetos que se tornam cada vez mais raros e difíceis de conseguir e evita que veja os novos anúncios publicitários (o que seria se visse um cartaz da Coca-Cola!).

Mas quando a Sra. Kerner melhora e quer ver televisão, Alex precisa contar com a ajuda de um amigo para produzir programas de televisão que deixaram de existir. Mas o que fará à medida que se tornar cada vez mais difícil manter o disfarce?

Filme vencedor do Prémio Anjo Azul para Melhor Filme Europeu no Festival de Berlim.

https://www.rtp.pt/programa/tv/p1778

Disponível na nossa biblioteca.


Ver para Aprender: A noite cairá, André Singer

 Conhecer o passado, perceber o presente.

Ao percorrer a Europa, numa série de ofensivas militares contra a Alemanha nazi durante os anos de 1944/45, os Aliados depararam-se com campos de concentração onde viviam encarceradas dezenas de milhares de pessoas, sob todo o tipo de privações, malnutrição e doenças. Nessa altura, o mundo defrontou-se com horrores indizíveis. A 27 de Janeiro de 1945, os soviéticos chegaram a Auschwitz, na Polónia, o maior dos campos de concentração e extermínio. Os poucos sobreviventes ao brutal regime de trabalho escravo e à falta de alimentos tiveram de enfrentar um longo e árduo caminho de recuperação e muitos deles acabaram por morrer posteriormente. Quando o produtor britânico Sidney Bernstein convidou o realizador Alfred Hitchcock para supervisionar a montagem de imagens recolhidas no terreno, fê-lo porque queria deixar algo para memória futura. Fê-lo para que a História recordasse o que os soldados – norte-americanos, soviéticos e britânicos – haviam encontrado ao longo do percurso de libertação da Europa. Filmadas por militares treinados para operar câmaras, seriam usadas em julgamentos como prova dos crimes de guerra ou incluídas parcialmente em jornais noticiosos. Porém, com o fim da guerra, as forças de ocupação mudaram a sua política e, em vez de confrontar a Alemanha com a culpa, escolheram instalar a confiança para tornar possível a reconstrução do pós-Guerra. Nesse contexto, o filme de Bernstein tornou-se politicamente inconveniente e, por esse motivo, "Memory of the Camps", foi arquivado.

Com realização e argumento de Andre Singer e com narração da actriz Helena Bonham Carter, "A Noite Cairá" segue o percurso de "Memory of the Camps", o documentário de Sidney Bernstein que ficou também conhecido como o "Hitchcock perdido".

https://cinecartaz.publico.pt/Filme/a-noite-caira-342908

Disponível na nossa biblioteca.


Ver para Aprender: Cartas a uma ditadura, Inês de Medeiros

Em março, mês da mulher, sugerimos este documentário em que as mulheres são protagonistas.

60 min
Documentário  
2006
Realização:  Inês de Medeiros

Uma centena de cartas, escritas por mulheres portuguesas em 1958, foram encontradas por acaso por um alfarrabista (colecionador de livros e documentos antigos), que não as leu por achar se tratarem de cartas de amor. As cartas respondiam a uma circular enviada por um misterioso Movimento de Apoio à Ditadura do qual não há qualquer referência nos livros de História. A circular original nunca foi encontrada, mas, pelas respostas em mãos, percebe-se que era um convite para que as mulheres se mobilizassem em nome da paz, da ordem e, sobretudo, em defesa do "salvador da pátria": António de Oliveira Salazar (1889-1970). Em todas as cartas, essas mulheres explicitam a gratidão e a admiração que têm pelo ditador. Mas, como se a necessidade de falar fosse mais forte, por entre chavões e frases feitas surgem por vezes o medo, a tristeza e o isolamento em que se vivia em Portugal nos anos 50. Assinam as cartas uma costureira, muitas professoras primárias, donas de casa e algumas esposas de homens importantes do regime. Ao confrontar essas mulheres com os fantasmas do passado, e graças a um material de arquivo inédito, Cartas a uma Ditadura é um mergulho perturbador no obscurantismo que dominou Portugal por mais de 50 anos.
http://www.cinept.ubi.pt/pt/filme/8643/Cartas+a+Uma+Ditadura

Disponível na nossa biblioteca através do Plano Nacional de Cinema.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2022

Newsletter Biblioteca de Santa Maria Maior Fevereiro

Newsletter Biblioteca Santa Maria Maior - Fevereiro de Claudia Santos

Dia da Internet Segura: Know what I meme?

Assinalamos o Dia da Internet Segura com este trabalho produzido pelo 10º E no âmbito do projeto Erasmus+, Breaking News@school. Ao longo deste mês, outras turmas, da nossa escola e das escolas parceiras, darão o seu contributo para a construção deste mural e farão em conjunto uma reflexão sobre a segurança na Internet.


Know what I meme? Criação de memes sobre segurança na Internet com recurso aos vídeos "Net com Consciência", disponibilizados pelo Centro Internet Segura, e às ferramentas digitais Canva, ImgFlip e Padlet.



Criado com o Padlet

terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

Ver para Aprender: O sonho de Wadja, Haifaa Al-Mansour

 


Wadjda, de dez anos, é uma menina inteligente e cheia de vida que está constantemente a testar os limites daquilo que pode fazer sem ser castigada. O maior sonho da sua vida é ter uma bicicleta. Porém, para a sociedade onde vive, nos subúrbios de Riad, Arábia Saudita, ter uma bicicleta é coisa de rapazes, não de raparigas. Decidida a não ceder às imposições de uma cultura demasiado conservadora – e à sua mãe, que teme pela sua virtude –, ela vai tentar arranjar forma de obter o dinheiro necessário para a comprar e, dessa forma, poder fazer corridas com Abdullah, o seu melhor amigo. O plano: vencer uma competição escolar de récita do Corão. Assim, à medida que decora o livro sagrado, começa a convencer todos à sua volta da sinceridade da sua devoção e virtuosidade. Mas, apesar de todas as dificuldades que se lhe atravessam constantemente no caminho, Wadjda é incapaz de deixar de lutar por aquilo em que acredita…


Ver para Aprender: Woman, Yann Arthus-Bertrand


Depois do sucesso do documentário "Humanos", realizado por Yann Arthus-Bertrand, o cineasta junta-se a Anastasia Mikova e realiza este "Woman – Mulher". Durante dois anos e meio, os dois viajam por 50 países e entrevistam duas mil mulheres de todas as idades, etnias e credos. Sob um ponto de vista quase exclusivamente feminino, nasce esta reflexão sobre o que é o mundo e como é viver nele. Da infância à velhice, em pé de igualdade ou definido por grandes injustiças, este é um filme sobre a importância da mulher em sociedades patriarcais.

Agora disponível na tua biblioteca. Oferta do Departamento de Ciências Sociais e Humanas.

 

Ver para aprender: O visitante, Thomas McCarthy


Walter Vale, um professor de economia de 60 anos na Universidade de Connecticut, perdeu a paixão pelo ensino e leva uma vida rotineira, tentando preencher o vazio da sua existência a aprender a tocar piano, mas sem grande sucesso... Quando é forçado a deslocar-se a Nova Iorque para uma conferência, descobre que o seu apartamento foi ocupado por um jovem casal de imigrantes ilegais. Walter acaba por deixar que os dois jovens fiquem temporariamente com ele. Sensibilizado pela sua gentileza, Tarek, músico dotado, acaba por retribuir dando-lhe aulas de djembê. Aos poucos, Walter vai recuperar a alegria de viver, tornando-se amigo de Tarek. E quando a polícia prende Tarek e ameaça deportá-lo, Walter vai iniciar uma verdadeira cruzada para salvar o amigo.

https://cinecartaz.publico.pt/Filme/221931_o-visitante

Disponível na nossa biblioteca.

Ver para aprender: A Ganha-pão, Nora Twomey


Ano de 2001. O Afeganistão está sob domínio dos talibãs. Parvana é uma menina de 11 anos que vê a sua vida mudar completamente quando o pai é injustamente acusado e preso. Uma vez que, segundo os preceitos talibãs, nenhuma mulher pode trabalhar fora de casa, a mãe fica sem meio de sustentar os filhos. É assim que a pequena Parvana toma uma decisão corajosa: cortar o cabelo, vestir roupas de rapaz e procurar trabalho. Com isto ela vai descobrir um mundo cheio de injustiças, onde a sobrevivência, difícil, depende quase exclusivamente da solidariedade.

Estreado no Festival de Cinema de Toronto e nomeado para o Óscar na categoria de Melhor Filme de Animação, um drama escrito e realizado por Nora Twomey (co-realizadora da animação "The Secret of Kells", também nomeada para um Óscar) que adapta a obra homónima da activista canadiana Deborah Ellis. Com produção de Mimi Polk Gitlin e Angelina Jolie, a versão original conta com as vozes de Saara Chaudry, Soma Bhatia, Kane Mahon, Laara Sadiq e Shaista Latif.

Agora disponível na tua biblioteca. Uma oferta do Departamento de Ciências Sociais e Humanas.